Giselda Terron Unipaz SP 2020 intro 120 120

"Como podemos seguir em frente coordenando e vencendo esta situação?"

Giselda Terron

 

Uma ameaça invisível apareceu, o COVID-19!

Nos tirou da rotina e nos colocou em quarentena para reduzirmos a velocidade de nossas ações e, assim, evitarmos sua propagação.

É essencial assumirmos a autorresponsabilidade para mantermos o bem coletivo.

O primeiro passo é entrarmos em contato e acolhermos nossas emoções e sentimentos. É uma mudança radical e, nesse momento, estamos assustados!

Dois comportamentos se destacam como formas de lidar com a realidade no presente: a NEGAÇÃO e o PÂNICO. Ambos colocam a estrutura da humanidade em risco.

Torna-se necessário o isolamento social como forma de cuidar de si e do outro. Por outro lado, é importante mantermos uma proximidade virtual, o que demanda o uso consciente das tecnologias e mídias.

Reorganizar a rotina frente às incertezas é desconfortante, porém podemos abrir espaço interno para que a criatividade surja e traga novas possibilidades de atuação.

Sugerimos, ainda, o pensar “fora da caixa”. A construção de uma terceira possibilidade, para além das formas padronizadas. A consciência de que nossas ações individuais, realizadas de forma equilibrada, seja fundamental para superarmos o momento crítico que estamos enfrentando.

Ousamos acreditar que existem caminhos possíveis. E o Cuidado Integral nos permite perceber a interligação e a interdependência que ultrapassa todas as fronteiras. É o micro reverberando no macro. É a metáfora do beija-flor que nos convoca para uma ação local que poderá gerar resultados significativos para toda a sociedade planetária.

 

Como podemos fazer isso?

Permaneça fortalecido perante a incerteza. É comum sentirmos a presença do medo, porém, pode ser acolhido e compreendido dentro do contexto vivenciado, para que seja transformado em combustível na busca do equilíbrio e da mudança do estado mental, que refletirá em nossos comportamentos.

Observe os pensamentos, sentimentos e atitudes. Verifique se o que está sentindo te equilibra ou não.

Pratique uma atividade física. O corpo precisa liberar as tensões para manter o equilíbrio.

Cuide da saúde. Se estiver em algum tratamento é fundamental mantê-lo.

Selecione as informações que você acessa, busque fontes seguras para se manter consciente frente aos acontecimentos e compartilhe somente o que agregar valor.

Redefina a rotina profissional, e caso esteja com atuação home office, programe horários de produção e pausa. Desta maneira garante-se a produtividade e a saúde.

Crie atividades que gerem bem-estar e a sensação de utilidade. É tempo de faxina externa e interna.

Aprenda algo novo. Neste momento muitos sites liberaram cursos e conteúdos gratuitamente como ações solidárias.

Prepare sua alimentação. É um autocuidado, uma forma de afeto para si e para os seus.

Cuide da higiene de forma preventiva. O excesso pode se tornar obsessivo.

Respire. A respiração consciente oxigena o cérebro e nos tira do instinto de luta e fuga, além de nos afastar do estado de pânico e nos colocar no presente prudente.

Pratique a meditação. Existem vários tipos, experimente!

Adote um diário. Neste momento é bem interessante escrever, pois conecta o mundo interno com o externo, extravasa o conteúdo emocional, organiza a mente e alinha o sentir, o pensar e o agir.

Conecte-se aos valores que movem sua vida. A integridade e a congruência nas atitudes frente aos DESAFIOS nos fazem seres humanos mais completos, mais éticos e mais solidários.

Simplifique e renove hábitos e práticas. Pode ser que as relações financeiras e de trabalho sejam transformadas.

Giselda Terron unipazsp 2020 400 267Mantenha-se no presente. Viver um dia de cada vez ajuda a eliminar a sensação de impotência perante um futuro imprevisível.

Cuide de suas relações e construa apoio ao redor. A internet possibilita as trocas com colegas de trabalho, amigos e familiares, ainda que estejam longe fisicamente.

Valorize a convivência familiar. Pode ser positiva se os espaços, tempos e limites forem respeitados de acordo com as idades e necessidades.

Solidarize-se e acolha as diferenças. O que dá certo para um pode não dar para o outro, por isso, escutar é importante.

Mantenha a energia e o entusiasmo. Neste momento precisamos uns dos outros e o acolhimento e a cooperação são fundamentais.

Somos diretamente afetados pelas notícias que se desenrolam na mídia. Lembre-se que temos uma variedade de pontos fortes que podem nos apoiar em decisões e ações e que, portanto, podemos escolher viver essa experiência, repensando a estrutura de SER no mundo e reinventando a forma de ESTAR no mundo.

 

Giselda Terron - Terapeuta Transpessoal e Facilitadora da Unipaz São Paulo.
Trabalha com desenvolvimento humano desde 1991. Em sua trajetória profissional desenvolveu atividades como professora de Educação Física, facilitadora de grupos em treinamentos corporativos, consultora organizacional, professora em cursos de pós-graduação nas áreas de gestão de pessoas e tanatologia. Atualmente dedica-se ao atendimento terapêutico com base na Psicologia Transpessoal, Alquimia Floral e facilitação de grupos.


|postado em 23/03/2020|