Budismo Nichiren – visão compassiva do ser humano

Problemas e dificuldades são um fato inevitável da vida e Shakyamuni (Siddhārtha Gautama), despertou para isso, há cerca de 2.500 anos, quando abandonou sua condição de príncipe e embarcou em uma busca espiritual para compreender como o sofrimento humano poderia ser superado.

Nessa busca ele despertou para uma consciência de que existiam quatro tipos de sofrimentos inerentes à vida de todas as pessoas, nascimento, envelhecimento, doença e morte.

Daí o conceito budista de que a felicidade não é a ausência de problemas ou sofrimentos, já que ninguém é capaz de escapar deles, nem mesmo santos ou sábios. A felicidade é uma condição, um estado de iluminação, em outras palavras o estado de Buda.

Nichiren, um sacerdote budista que viveu no século 13, acordou para esta lei da vida e a chamou de “Nam-myoho-rengue-kyo“. Ele percebeu que o mais profundo processo de mudança e purificação no ser humano acontece quando conseguimos manifestar esta condição de iluminação (estado de Buda), e revelou a recitação do “Nam-myoho-rengue-kyo” como o meio direto e imediato para acessá-lo e experimentá-lo. 

O budismo Nichiren ensina que todas as pessoas são capazes de manifestar o estado de Buda, ou estado de iluminação, nesta vida, em sua forma atual, através de uma transformação interior – um processo de trazer à tona todo o nosso potencial humano. 

Esse processo é chamado de “Revolução humana”.

O Dr. Daisaku Ikeda, atual presidente da Soka Gakkai Internacional, explica: “Existem todos os tipos de revoluções: revoluções políticas, revoluções econômicas, revoluções industriais, revoluções científicas, revoluções artísticas. . . mas não importa o que alguém mude, o mundo nunca ficará melhor enquanto as próprias pessoas permanecerem egoístas e sem compaixão. Nesse sentido, a revolução humana é a mais fundamental de todas as revoluções e, ao mesmo tempo, a revolução mais necessária para a humanidade.”

O Budismo Nichiren é baseado na crença em uma condição de vida pura, positiva e iluminada que existe igualmente dentro de todas as pessoas. Este estado de vida é caracterizado pelas qualidades de compaixão, sabedoria e coragem, que nos permitem criar algo de valor em qualquer situação. 

Um dos conceitos mais importantes do Budismo é a Lei de causa e efeito. Em algumas tradições,  esta lei pode ser interpretada, dando maior enfoque nas causas negativas do passado. O Budismo Nichiren é o budismo da simultaneidade de causa e efeito, isso significa que não precisamos esperar algum tempo, ou estar em algum outro lugar para manifestar o nosso infinito potencial de Buda, fazemos isso aqui e agora. 

A Flor do Lótus é o símbolo do princípio da simultaneidade de causa e efeito, pois além do lótus ser a única flor a produzir flores e frutos ao mesmo tempo, ela cresce pura e perfumada, em água lamacenta. Da mesma forma, conseguimos nos fortalecer e nos tornar absolutamente felizes, em meio aos sofrimentos da realidade da vida.

Quando recitamos a lei da vida do Nam myoho rengue kyo, nos iluminamos e passamos a enxergar o verdadeiro aspecto de todas as coisas. Passamos a sentir, pensar e agir nesta condição de vida mais elevada e assim e simultaneamente já criamos as causas positivas para o futuro.

Passamos não apenas a compreender que os problemas e sofrimentos fazem parte da vida, como também a encará-los como uma grande oportunidade para a realização de nossa revolução humana.

O processo individual de revolução humana é a própria chave para desencadear mudanças em escala global, pois, como escreve o Dr. Daisaku Ikeda, “Uma grande revolução humana em apenas um único indivíduo ajudará a realizar uma mudança no destino de uma nação e, além disso, possibilitará uma mudança no destino de toda a humanidade.” Assumir a responsabilidade por transformar nossas próprias vidas é o primeiro passo para criar uma sociedade humana baseada na compaixão e no respeito pela dignidade da vida de todas as pessoas.

Um outro nobre sentimento passa a fazer parte de nossa condição de vida básica, quando realizamos a prática do Budismo, a gratidão.

Olhamos além de nossas preocupações pessoais e agimos pelo bem dos outros e um sofrimento, que antes parecia algo impossível de se resolver, pode se tornar a grande causa que precisamos para encontrar o propósito de nossas vidas, à medida que aprendemos como ajudar outras pessoas que estão lutando em uma situação semelhante.
Fonte de consulta: https://www.sokaglobal.org/

Luciana Alves é mãe, praticante do Budismo Nichiren, Consultora de Moda e Imagem, sempre foi apaixonada por pessoas. Trabalhou durante muito tempo com publicidade e teve experiência profissional com grandes símbolos da moda.  

X